Minhas opiniões e publicações, expostas neste espaço, são reflexões acadêmicas de um cidadão-eleitor, publicadas ao abrigo do direito constitucional da liberdade de expressão

"Por favor, leia devagar." (Ferreira Gullar)

14 dezembro, 2005

Exercícios para elevação espiritual

Alguns acreditam que pelo sofrimento do corpo se chega ao paraíso, eu não, sou pela graça de Deus, que me escolheu um dia e disse: “vai meu filho, toma posse de tudo que é meu na terra e no céu”. Mas para aqueles que acreditam que é pela dor que se chega à realização, e mesmo para aquele que sem escolha, necessitam da participação do Estado em suas vidas, recomendamos uma série de exercício para se atingir o nirvana.

Como primeiro exercício espiritual sugerimos uma vistoria de automóvel no Detran/RJ.

O Rio de Janeiro é um dos poucos Estados que exigem a vistoria dos veículos anualmente, sob a alegação da manutenção, conservação e regularidade da frota dos automotivos, os proprietários de seus veículos devem pagar os devidos encargos tributários, ligar para o Detran/RJ e agendar sua ida a um posto de vistoria, quando serão verificados o estado geral do veículo, lataria e pintura, emissão de gases, pneus, extintores de incêndio e parte elétrica (faróis, lanternas, limpadores do pára-brisa, buzina etc.).

Quem olha de fora do Estado admira-se com tamanha qualidade de serviço, com hora marcada, vistoria realizada por estagiários da Universidade do Estado do Rio de Janeiro –UERJ e, imagina que tudo que é cobrado e realizado não poderia ser melhor para todos.

Mentira, não funciona assim. Primeiro, marcar a vistoria é uma vitória, já que os telefones estão sempre ocupados; segundo, procuração passada por instrumento público não tem valor, o procurador tem que dar entrada com o pedido diretamente no Detran; terceiro, o agendamento não cumpre o horário estabelecido, se você marcar pelo telefone às 16h, prepare-se para sair do Detran as 18:30, isso depois de enfrentar algumas filas para ser vistoriado e em guichês para entrega de documentos; quarto, o Detran/RJ não reconhece o concubinato como forma legal de união, ou seja, para fazer a vistoria do cônjuge, só com certidão de casamento; quinto, foi construída uma industria paralela de “aluguel” de pneus e extintores só para o momento da vistoria, ou seja, o carro é “maquiado” só para a ocasião; quarto, como não poderia deixar de ser, ainda existe o “jeitinho” brasileiro, para os mais felizardos.

Atenção, não deixe de calibrar o estepe, senão você é obrigado a sair do posto do Detran só para dar um arzinho no pneu e, voltar no final da fila.

Em breve voltamos com o segundo exercício de elevação espiritual.

6 comentários:

Nemerson Lavoura disse...

Apoiadíssimo, Ozeas. A "vistoria" anual do DETRAN é uma prova, para mim, de que nós vivemos no purgatório. Aquilo é um inferno - e um tremando caça-níqueis. Aliás, como tudo no Brasil, só funciona para a minoria de honestos que procura manter-se dentro da Lei. A esmagadora maioria dos motoristas não paga IPVA, não faz porcaria nenhuma de vistoria, e dirigem numa boa, sem ser incomodados. Qualquer problema, é só dar a "cervejinha" para o guarda.
(por falar nisso: vidro com insulfilm muito escuro é proibido pelas normas de trânsito, assim como aqueles pinos de aço para reboque que muitos espertalhões estão mandando instalar - e que só servem para amassar o parachoque dos outros. Se são proibidos mas um monte de gente usa, para que diabos serve a vistoria ?)

Vera disse...

Mestre Ozéas: Os Detrans do Brasil inteiro devem funcionar do mesmo jeito pois em SP e aqui na cidade que moro atualmente, é igualzinho o que você descreveu. Que sorte a nossa! Bjs

Saramar disse...

Graças a Deus, não dirijo nem quero dirigir nunca. Por isso nem sei como é aqui em Goiânia.
Mas, querido Ozeas, está claro que isso é só mais uma forma de arrancar dinheiro do cidadão.
Vai me dizer que aí no RJ não existe veículos soltando aquela fumaça preta, ou caindo aos pedaços ou rodando com pneus carecas?
O objetivo da tal vistoria não é impedir isso? Funciona? Você vê os resultados?
E essa história de não aceitar o concubinato? Isso não está previsto no novo código civil?
Desculpe se fiz algumas perguntas imbecis, mas há coisas que me deixam mais boba do que já sou.
beijo

Nemerson Lavoura disse...

Nós vivemos no purgatório, mas a vistoria do DETRAN é um inferno... Essas picaretagens do DETRAN estão até me deixando confuso...

Serjão disse...

Ozéas, Não vou comentar este post não. Natal é tempo de paz. E minha irritação contra este estado desonesto que nos cobra tanto e devolve tão pouco não tem limites. Só uma coisinha para recordar. Quando este código entrou em vigor não havia muita regulamentação. Só se sabia uma coisa: MULTAR. Vc não imagina o que era recorrer das multas. No setimo andar do Prédio da Pres, Vargas as pessoas sentadas no chão como gado. A minha vontade era ter sangue argentino para com os outros motoristas quebrar e incendiar aquilo. Pronto falei que não iria comentar e agora...

Serjão disse...

Em tempo: É esse tipo de coisa que nos falta, Um maior intercambio regional. Eu sei disso por que vivo aqui, E os outros que moram fora? Quando o Garotinho aparecer na TV com fama de estadista podemos informar quem ele é.