Minhas opiniões e publicações, expostas neste espaço, são reflexões acadêmicas de um cidadão-eleitor, publicadas ao abrigo do direito constitucional da liberdade de expressão

"Por favor, leia devagar." (Ferreira Gullar)

26 agosto, 2008

Chute do Fidel

Cuba teve nos últimos jogos da China um desempenho abaixo da crítica, ficando na sua pior classificação geral, desde as olimpíadas do México de 1968, 28º lugar no ranking das nações.

Longe vai o tempo, em que custeada pela União Soviética, Cuba representava a glória e o glamour socialista nas Américas, o tempo passou e o mundo mudou, não poderia ser diferente com a Ilha.

Quanto mais a realidade cubana se evidência para o mundo, os resultados nas competições esportivas internacionais mostram o grau de dependência que Fidel tinha com seu falidos financiadores. Os antigos e espetaculares resultados, portanto, não era outra coisa senão fruto de um forte investimento na propaganda comunista, não muito diferente da executada pelos nazistas, na busca da prova de sua superioridade racial, e diga-se a verdade, também não tão diferente da atual americana ou chinesa.

Como diria Dona Dora, “caridade com o chapéu dos outros”, é bem mais fácil.

Outro fator preponderante para o declínio esportivo cubano, verificado nos jogos de Pequim, reside no fato que nenhum boxer cubano conquistou medalha de ouro em qualquer das categorias que participou. O boxe para os cubanos sempre foi um filão de ouro, dessa vez, entretanto, teve que se contentar com quatro pratas e igual quantidade de bronze.
Acontece que depois dos jogos Pan-americanos de 2007, com a fuga de dois dos seus pugilistas no Brasil, posteriormente revertida para “espontânea” apresentação ao governo Castrita, o ditador cubano resolveu podar a equipe dos seu melhores atletas, cortou tanto suas “ervas daninhas” que acertou o caule da árvore.

Além do baixo desempenho do boxe, que já chegou a ter 32 títulos olímpicos, e da frágil economia do país, que não permite mais investimentos concretos para o ufanismo socialista, nos jogos de Pequim, Cuba protagonizou mais um decepcionante desempenho. No quesito fair play ficou em último lugar, quando um de seus atletas que competia no taekwondo, chutou o rosto do arbitro que lhe deu a derrota no combate.

Afastado pelo Comitê Olímpico Internacional, de qualquer competição internacional, o “atleta” cubano pode ficar tranqüilo, pelo menos no seu país, seu comandante maior já prestou solidariedade pela agressão, sob o argumento que, "Angel ficou assombrado com uma decisão que considerou totalmente injusta, protestou e acertou um chute contra o árbitro. Ele não pôde se conter",

O chute desferido por Angel Valodia representa mais que um descontrole isolado de um mau perdedor, a agressão tem significância maior. Fidel, também não poderia ter tomado atitude pior, justificando seu compatriota diante da indignação internacional, concluindo, "há esportes onde a arbitragem está muito corrompida. Nossos atletas lutam contra o adversário e o árbitro".

2 comentários:

Anônimo disse...

Se multiplicam adesivos colados nos vidros de carros pelo Brasil afora. NÃO VOTE EM NINGUEM DO PT- A VÍTIMA SERÁ VOCÊ. FORA CANALHAS VAGABUNDOS, PÉS-SUJOS!! VÃO ROUBAR NA PQP!!! "Gente direita, nao vota na esquerda!"

Magui disse...

Hoje sabemos que treinavam na Rússia proqeu as medalhas de lá continuam saindo inclusive dos paises que antes faziam parte da Cortina de Ferro.Fidel Castro tá gagá!